Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Políticas públicas para o cuidado às crianças afetadas pelo zika vírus é tema de palestra
Início do conteúdo da página

Políticas públicas para o cuidado às crianças afetadas pelo zika vírus é tema de palestra

Publicado: Segunda, 04 de Abril de 2016, 15h40 | Última atualização em Terça, 03 de Maio de 2016, 20h17 | Acessos: 1612

A elaboração de políticas públicas integrais para a atenção às famílias e às crianças que estão nascendo com microcefalia e outros problemas neurológicos relacionados à epidemia do zika vírus no Brasil foi tema de palestra realizada no campus Maracanã no dia 30 de março. Pesquisadoras da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) responsáveis pela Estratégia Brasileirinhas e Brasileirinhos Saudáveis (EBBS), vinculada à Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança, apresentaram um panorama da situação nacional aos alunos do curso técnico em Turismo.


A professora Nancy Rabelo (à direita), com as palestrantes Liliane Penello (ao centro) e Liliana Lugarinho (à esquerda)

“As condições em que essas crianças estão nascendo causam um grande impacto na saúde pública, pois elas irão precisar de cuidados especiais para a vida inteira”, afirma a coordenadora técnica da EBBS, Liliane Penello. “A atenção às crianças e a seus familiares requer do poder público a integração de diferentes áreas”, completa a coordenadora executiva da estratégia, Liliana Lugarinho.

Como iniciativa pública concreta, Liliana cita a Portaria Interministerial n° 405, de 15 de março de 2016, que institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), a Estratégia de Ação Rápida para o Fortalecimento da Atenção à Saúde e da Proteção Social de Crianças com Microcefalia.

De acordo com as pesquisadoras, o Brasil já registra 6.500 casos suspeitos de microcefalia associados ao zika vírus. No estado do Rio de Janeiro, foram contabilizados, até o momento, cerca de 300 casos. No entanto, as pesquisadoras alertam que o período de maior risco de proliferação da doença no estado está apenas começando, com as chuvas de março.

A palestra foi realizada como parte do projeto integrador “Diálogos em Turismo”. A atividade consiste em um espaço de discussão de temas atuais relacionados a diferentes áreas do conhecimento e têm como finalidade estimular a reflexão e análise crítica dos alunos.

 Veja a apresentação realizada pelas palestrantes.

 

Conheça outras ações de combate ao Aedes aegypti realizadas pelo Cefet/RJ.

Fim do conteúdo da página