Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Fotografias que registram lutas populares entram em cartaz na Galeria Cubo de Vidro
Início do conteúdo da página

Fotografias que registram lutas populares entram em cartaz na Galeria Cubo de Vidro

Publicado: Sexta, 01 de Março de 2024, 19h31 | Última atualização em Sexta, 01 de Março de 2024, 20h17 | Acessos: 700

Manifestações de repúdio a atos antidemocráticos ocorridos no país, protestos contra o aumento do valor das passagens no transporte público e até mesmo revoltas populares contra a tragédia na barragem de Brumadinho (MG), são alguns dos temas dos mais de 20 registros fotográficos que ilustram a exposição “Fotografia de guerrilha: 6 anos nas ruas”, lançada nesta quarta-feira (28), na Galeria Cubo de Vidro, da Unidade Maracanã. Com curadoria de Bárbara Dias e obras dela e de outros artistas que formam o Coletivo Fotoguerrilha, a exposição permanecerá em cartaz até o dia 4 de abril. A visitação pode ser realizada de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.

Lançada na quarta-feira (28/2), a exposição “Fotografia de guerrilha: 6 anos nas ruas” permanecerá em cartaz até o dia 4 de abril

Impressas em tecido e dispostas em varais e nas paredes da galeria, as fotografias da exposição retomam episódios marcantes que mobilizaram manifestações populares no Rio de Janeiro e em outras cidades brasileiras. Hiago de Farias, um dos artistas que esteve presente no lançamento da exposição, ressaltou a importância simbólica que a fotografia tem na vida das pessoas, fazendo elas pensarem sobre as injustiças sociais. “Esses registros são fruto de indignação, que resultaram em luta popular, e falam bastante sobre a vida do povo negro e periférico. As imagens cumprem um papel importante, é preciso observar o que elas estão dizendo pra gente”, explicou o artista.

Vinícius Ribeiro, outro integrante do coletivo, comemorou a oportunidade de expor as fotografias em um espaço dedicado à educação como o Cefet/RJ. “Nossos registros começaram em 2016 e buscam um viés humanístico, que quebre estereótipos e ajude a divulgar as causas que têm pouca visibilidade”, relatou. Segundo ele, a exposição já havia sido exibida no ano passado no Espaço Cultural Viaduto de Realengo, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, se misturando à paisagem urbana e levando arte a uma região carente de atrações culturais na cidade.

Impressas em tecido, as fotografias retratam manifestações populares entre os anos de 2016 e 2022

Conforme a Diretora de Extensão do Cefet/RJ, Renata Moura, além dos fotógrafos serem jovens e estarem em sintonia com a maior parte do público que frequenta o espaço, a exposição se destaca por trazer outra visão sobre a fotografia, a partir de registros feitos por quem está dentro das manifestações: “Estamos acostumados a ver esses episódios pelo olhar dos fotojornalistas, da imprensa. Acredito que vermos o mesmo fato pelo ângulo dos participantes das manifestações, aproxima a fotografia do ambiente da arte”, ressalta a diretora, que também destaca o viés étnico-racial e socialmente referenciado das obras, o que acaba contribuindo para que os visitantes da galeria também se reconheçam nas fotografias.  

Acesse o perfil no Instagram para saber mais informações sobre o Coletivo Fotoguerrilha.

Veja mais fotos do evento.

Sobre a galeria

A Galeria Cubo de Vidro é um local dedicado à arte contemporânea que foi inaugurado em abril de 2022 na Unidade Maracanã. A Diretoria de Extensão (DIREX) é a responsável pela seleção dos artistas e pela montagem das exposições.

Fim do conteúdo da página