Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Informativo Eletrônico > Informativo Eletrônico - Agosto / Setembro de 2016
Início do conteúdo da página

Informativo Eletrônico - Agosto / Setembro de 2016

Publicado: Terça, 11 de Outubro de 2016, 20h40 | Última atualização em Sexta, 14 de Outubro de 2016, 15h37 | Acessos: 4357
 
Nº 18 | AGOSTO / SETEMBRO DE 2016
 

 



 

NASA receberá professora do Cefet/RJ para pesquisa de pós-doutorado

 

 

 



Ana Lúcia Ferreira de Barros simulará, em laboratório, a química que ocorre nos gelos interestelares


A professora Ana Lucia Ferreira de Barros, coordenadora do doutorado em Instrumentação e Óptica Aplicada (PPGIO) do Cefet/RJ, vai para a NASA (National Aeronautics and Space Administration) realizar pesquisa em nível de pós-doutorado que visa simular, em laboratório, a química que ocorre em gelos interestelares. Durante um ano, a professora estará no Laboratório de Astroquímica do Centro Ames, perto de São Francisco, Califórnia, realizando estudo temático relacionado à fragmentação de moléculas complexas conhecidas como PAH (sigla em inglês; ou HAP, hidrocarboneto aromático policíclico). “Pretendemos simular, em laboratório, a química que ocorre em gelos interestelares, discos protoplanetários, cometas, assim como outros corpos gelados em nosso sistema solar e investigar a complexidade molecular desses compostos em ambientes cósmicos”, explica Ana Barros.

A pesquisadora do Cefet/RJ destaca que sua pesquisa também prevê estudos de análogos de gelo ricos em água, contendo pequenos hidrocarbonetos aromáticos policíclicos. Esses estudos serão realizados com irradiação por fótons na faixa do ultravioleta (UV) e analisados pela técnica de espectroscopia de infravermelho. “Esse tipo de composto é de grande interesse, porque inclui espécies pré-bioticamente significativas, tais como as nucleobases”, destaca a professora, que também atua no Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica (PPEEL).

O projeto de pós-doutorado da professora do Cefet/RJ, em paralelo aos estudos com fótons, também visa dar continuidade aos trabalhos atualmente realizados com irradiação de íons pesados em análogos astrofísicos. “Assim, de modo sintético, afirma-se que as medidas no laboratório de astroquímica nos permitirão simular, em laboratório, passos importantes da evolução química do Universo”, ressalta a professora. Essa pesquisa está prevista para ser realizada até outubro de 2017.

Mais informações sobre o NASA Ames Research Center podem ser obtidas em http://www.nasa.gov/centers/ames/home/index.html.

 

 

Estudantes são selecionados para participar de competição na Índia

 

 

 

 

 



QUANTA incluirá provas de Ciências, Matemática, Habilidades Mentais e Eletrônica


Sete alunos do ensino técnico foram selecionados para participar da 22ª Competição Internacional de Ciências, Matemática, Habilidades Mentais e Eletrônica (22nd International Competition for Science, Mathematics, Mental Ability and Electronics, conhecida como QUANTA), que ocorre na Índia, em novembro. A escolha foi baseada no resultado da Olimpíada Internacional Matemática Sem Fronteiras, voltada para os ensinos fundamental e médio. O Cefet/RJ obteve ouro na etapa estadual e prata na fase nacional da olimpíada.

A equipe é composta pelos estudantes Pedro Paulino, Felipe Couto, Bárbara Maria, Ítalo Paiva, Matheus da Silva, Rafael Ramos e Victor Lima. Todos eles são do terceiro ano do curso técnico em Mecânica e, juntos, somam mais de 60 premiações em olimpíadas relacionadas a diversas áreas de conhecimento, como Geografia, História, Química, Física, Matemática e Astronomia.

Na avaliação do professor de Matemática que acompanhará a equipe na competição, Gustavo Soares, essa diversidade é um ponto forte. “O grupo contempla, com excelência, todas as habilidades que serão requeridas. A QUANTA não se restringe à Matemática, envolve conhecimentos de diversas áreas científicas.” Soares também enfatiza que as provas serão todas realizadas na língua inglesa.

A QUANTA inclui seis provas, com premiações individuais e uma premiação geral. Os estudantes participarão de uma corrida de obstáculos com robôs e uma disputa de barcos, com protótipos que eles já estão construindo. Também haverá um teste de habilidade mental, envolvendo memória e raciocínio; uma prova de Matemática e uma de Astronomia, Biologia, Física e Química, ambas na forma de quiz. Por fim, haverá um debate sobre um tema multidisciplinar, em que os alunos deverão defender posição favorável ou contrária ao assunto.

 

 

Projeto de pesquisa do Cefet/RJ é contemplado pela FAPERJ


O projeto de pesquisa “Análise do comportamento mecânico de juntas coladas de multimateriais”, proposto pela professora Mariana Banea, foi contemplado pelo Programa de Apoio a Grupos Emergentes no Estado do Rio de Janeiro da FAPERJ. Recém-chegada ao Cefet/RJ, a professora pretende trazer para a instituição a experiência acumulada durante os anos em que atuou no Grupo de Adesivos na Universidade do Porto, em Portugal, e desenvolver pesquisas sobre materiais adesivos e compósitos. Mariana Banea está vinculada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Mecânica e Tecnologia de Materiais.

O projeto contará com a participação de seis professores da instituição, além dos mestrandos em Engenharia Mecânica e Tecnologia de Materiais. Bolsistas de iniciação científica do curso de graduação em Engenharia Mecânica também participarão do projeto, visando despertar a vocação científica e incentivar suas pesquisas na pós-graduação. Ao explicar o campo de pesquisa no qual o projeto se desenvolve, a professora esclarece que, para aumentar a eficiência dos transportes e reduzir o consumo de combustível e emissões de contaminantes, uma redução de peso associada a uma melhoria do desempenho em termos de segurança dos materiais em uso deve ser alcançada. Nesse sentido, a necessidade de estruturas com um melhor desempenho resultou no desenvolvimento de uma nova variedade de estruturas e materiais híbridos. A professora dá mais detalhes sobre o projeto:

- Estruturas multimaterial – aviões, barcos, carros – usam vários tipos de materiais, como aço, alumínio, magnésio, plásticos reforçados com fibras e estruturas-sanduíche. A soldadura é simplesmente impossível de usar nessas situações, e rebites ou parafusos apresentam concentrações de tensão e oferecem uma baixa resistência à fadiga. A ligação adesiva é, geralmente, o método preferido, uma vez que permite uma maior flexibilidade na concepção, é mais eficiente em aspectos mecânicos e de energia e é mais resistente à corrosão.

O objetivo do projeto contemplado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro é avançar os conhecimentos relativos à análise de estruturas com juntas coladas e materiais compósitos, mais especificamente nos casos de análises de estruturas multimaterial. Segundo a pesquisadora – agraciada com os prêmios SAGE Best Paper Award 2010 e Donald Julius Groen Prize 2010, ambos da Institution of Mechanical Engineers –, o que se pretende é obter dados para simulação computacional de casos reais de estruturas multimatérias para a indústria dos transportes. “Este projeto permitirá reforçar o conhecimento desta tecnologia estratégica, permitindo o desenvolvimento das indústrias que mais necessitam desta tecnologia”, avalia a professora, que possui doutorado e pós-doutorado pela Universidade do Porto.

 

 

 

Aluna de Nova Iguaçu receberá bolsa da Disney para desenvolver projeto de proteção animal

 

 

 



Jennifer Melo criou o projeto #SOSBichoAmigo, para combater os maus tratos e o abandono de animais


O projeto #SOSBichoAmigo, criado pela aluna Jennifer Melo, do terceiro ano do curso técnico em Enfermagem do campus Nova Iguaçu, é uma das 50 propostas ambientais selecionadas pela campanha Amigos Transformando o Mundo. Jennifer receberá uma bolsa no valor de U$ 1 mil (cerca de R$ 3,2 mil) da “Inspire-se, Disney Cidadania”, iniciativa de responsabilidade social da Disney, para a realização de atividades previstas no projeto.

A bolsa será utilizada para viabilizar o estabelecimento de parcerias com veterinários para a vacinação e a castração de animais; a realização de uma feira de adoção responsável; a produção de materiais educativos e a organização de palestras para sensibilizar as pessoas sobre o assunto e defender os animais de qualquer forma de exploração. As ações serão realizadas no campus Nova Iguaçu.

O #SOSBichoAmigo se articula ao projeto de extensão “Controle e combate aos maus tratos e abandono de animais no campus Nova Iguaçu”, do qual Jennifer participa como voluntária. Coordenado pelos professores Julius Monteiro, Luane Fragoso e Fernanda Ferreira, o projeto de extensão visa conscientizar as comunidades interna e externa sobre o tema, contribuindo para erradicar o abandono de animais nas dependências da instituição, prática que se tornou recorrente devido à localização do campus em uma extensa área verde não murada.

 “Jennifer é uma aluna proativa, dinâmica, responsável e comprometida com o trabalho que realiza. Ela sempre demonstrou preocupação e simpatia por questões ambientais e pela causa animal, cuidando de inúmeros cães e gatos que aparecem constantemente no campus e em sua vida diária”, comenta a professora e diretora do campus Nova Iguaçu, Luane Fragoso.

O cuidado e o carinho de Jennifer para com os animais vêm de longa data. “Minha maior inspiração veio de casa. Meus pais sempre recolheram animais de rua para cuidar”, conta. O exemplo motivou suas primeiras ações já na infância. “Antes de ir para a escola, depois de arrumar minha lancheira, sempre guardava ração na bolsa e, no percurso do colégio, distribuía para os animais de rua. Na volta, muitas vezes trazia um brinde para casa: um gatinho”, lembra.

Atualmente, além de participar do projeto de extensão do campus  Nova Iguaçu, Jennifer atua como voluntária em grupos de proteção animal e realiza trabalhos informais, como a distribuição de rações e cobertores para animais de rua. A estudante encara todas essas ações como uma forma de amadurecimento para a profissão que espera exercer no futuro, a de médica veterinária. 

 

 

Seminário promove diálogo sobre educação linguística e formação docente

 

 

 

 

 


Conferência de abertura do II Seminário Interinstitucional PIBID – Línguas Estrangeiras

 

Com a proposta de intensificar o diálogo sobre educação linguística e formação docente, professores e alunos de instituições de ensino superior do estado do Rio de Janeiro se reuniram no II Seminário Interinstitucional PIBID – Línguas Estrangeiras. O evento possibilitou a troca de experiências no âmbito do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), que incentiva a formação de professores em cursos de licenciatura, para atuar na educação básica. Organizado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) em parceria com o Cefet/RJ, o seminário ocorreu no dia 26 de setembro, no campus Maracanã.

A conferência de abertura abordou as articulações entre educação artística e educação linguística. A programação contou ainda com mesas-redondas, minicursos e apresentações orais sobre projetos de ensino das línguas inglesa, espanhola, francesa e italiana. Além de estudantes e professores da Uerj e do Cefet/RJ, o seminário reuniu participantes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), da Universidade Federal Fluminense (UFF), da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

 

 

Comissão organizadora do evento: da esquerda para a direita, Ricardo de Oliveira (Cefet/RJ), Antonio Ferreira (Cefet/RJ), Adriana Ramos (Cefet/RJ), Talita Barreto (Uerj) e Rodrigo Campos (Uerj)


“O PIBID diminui a distância entre a universidade, geralmente considerada o universo da teoria, e a escola básica, tida como o lugar da prática”, enfatiza a docente e integrante da comissão organizadora do seminário pela Uerj, Talita Barreto. “O programa promove a integração entre distintos públicos: o docente em formação, o professor que o orienta no estágio e o estudante do ensino básico”, completa.

No ensino de línguas estrangeiras, o Cefet/RJ atua como receptor de estagiários do PIBID. “Nosso corpo docente supervisiona os estudantes em formação, nos cursos de ensino médio/técnico. Portanto, também os alunos da instituição se beneficiam do programa”, explica a chefe do departamento de Línguas Estrangeiras do Ensino Superior e integrante da comissão organizadora do evento pelo Cefet/RJ, Adriana Ramos. De acordo com o docente e também organizador do evento, Antonio Ferreira, a participação no seminário tem o intuito de “reafirmar o compromisso do Cefet/RJ como um campo de estágio para esses futuros profissionais”.

Adriana esclarece ainda que o Cefet/RJ possui curso superior na área de línguas estrangeiras, mas ele é voltado para negociações internacionais, formando bacharéis, e não licenciados. O curso foi criado em 2014 e já é um dos mais concorridos no processo seletivo da instituição.

 

 

Mestrado em Ciência da Computação inicia atividades

 

 

 

 

 

 

Aula inaugural, proferida pela professora Marta Mattoso da Coppe/UFRJ


O Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação inicia as atividades neste trimestre, com a oferta do curso de mestrado com ênfase em Ciência de Dados. “A especialidade é um diferencial em relação às seis universidades do Rio de Janeiro que possuem cursos de pós-graduação stricto sensu na área de Ciência da Computação”, explica o coordenador do programa, professor Eduardo Ogasawara.

O especialista em Ciência de Dados possui uma visão multidisciplinar. O profissional utiliza a Ciência da Computação como uma área-meio para desenvolver soluções inovadoras para problemas de outras áreas, como a Astronomia e a Biologia, bem como para as demandas do mercado.

Com perfil acadêmico, o novo curso de mestrado prioriza a formação de docentes e pesquisadores. Mas, por se tratar de uma área com alta demanda no mercado de trabalho, os egressos também podem optar por esse tipo de atuação. “Temos o compromisso com a sociedade de formar profissionais que também consigam se posicionar bem no mercado”, declara o coordenador do programa.

A pós-graduação em Ciência da Computação é a primeira a atingir plenamente a meta de verticalização do ensino prevista no Plano de Desenvolvimento Institucional do Cefet/RJ. A verticalização consiste na integração do ensino médio/técnico com a graduação e a pós-graduação. O Centro Federal começou a oferecer formação na área com o já tradicional curso técnico em Informática. Em 2012, criou o bacharelado em Ciência da Computação e, este ano, o curso de mestrado.

As atividades do programa de pós-graduação iniciaram no dia 19 de setembro, com a aula inaugural “Sistemas de recomendação, reflexões e interação em tempos de Big Data”, proferida pela professora Marta Mattoso, do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ). A docente é considerada referência nacional na área de pesquisa.

No primeiro encontro, também foi prestada homenagem ao professor Fábio Porto, do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC). Porto foi escolhido como patrono do programa, por ter auxiliado na concepção da proposta diferenciada do curso.

 

Expediente:

Direção-Geral:
Carlos Henrique Figueiredo Alves

Vice-Direção:
Maurício Saldanha Motta

Editor Responsável:
Mariana Thereza Pereira Sant’Anna – Mtb 22.457

Redação:
Gláucia da Silva Mendes Moraes – Mtb 14.440

Revisão:
Natasha Juliana Mascarenhas Pereira Lago

Planejamento Editorial:
Isabela Eugenio Almeida – Conrerp 3824
Marilda Barroso Bottino – Conrerp 2690

Programação Web:
Departamento de Tecnologia da Informação

Projeto Gráfico/Diagramação:
Fernando da Silveira Bracet
Isabela Menezes da Silva Devonish

Fotografia:
Divisão de Comunicação Social

Redação do Informativo:
Av. Maracanã, 229 – Bloco E – 1º andar
Maracanã – Rio de Janeiro – CEP: 20271-110
Telefones: (21) 2568-2016
(21) 2566-2169
(21) 2566-3071
Site: http://www.cefet-rj.br
E-mail: dicom
@cefet-rj.br
registrado em:
Fim do conteúdo da página